O Menino-Varrido

em sexta-feira, setembro 23, 2011
(inspirado em 22:11)

O sol não estava lá. Havia algo fora do lugar no amanhecer do pequeno vilarejo. A menina-de-trança foi até a janela investigar o que sucedia. O velho-de-bengala consultou o serviço meteorológico no rádio-amador. A senhora de chapéu azul turquesa abriu o jornal em busca do horóscopo enquanto sua filha-namoradeira desenhava uma interrogação em cada olhar. O menino-varrido nem deu conta do que se passava, mas ele também nunca expressava a menor reação diante dos problemas coletivos. Era metido a cientista, o menino. E toda gente comentava das experiências químicas e místicas que ele praticava. Era meio-autista, meio-bruxo, meio-magro. Dedicava seus dias a bolar truques de mágica que nunca davam certo. Mantinha-se recluso em seu mundo de experimentações e não lhe sobrava tempo para manifestações como aquela que acontecia lá fora naquele momento. O fato é que toda a comunidade saiu em protesto. O bafafá tomou corpo quando, finalmente, olharam pro céu e deram por falta dos raios solares que até então nunca haviam se ausentado do rotineiro amanhecer local. O astro-rei não estava lá, tinha tomado um chá-de-sumiço. E cada boca sussurrava: "Onde estará? Onde estará?". Foi quando o menino-varrido saiu gritando à toda gente. Ele estava radiante pois havia realizado sua primeira mágica bem-sucedida. As palavras atropeladas brotavam de sua garganta como buquês de felicidade. E nessa hora todos olharam pra dentro dele. O sol estava lá.

Maíra Viana em O Teatro Mágico em Palavras

(Postado por Letícia Christmann)

Um comentário:

Só mais um não são disse...

Muito foda esse texto... Parabenss!!

 
imagem do banner Design